O controle remoto do Xbox One é surpreendentemente bom

Xbox One não devia ter um controle remoto. Pelo menos na teoria. Era essa a ideia do novo Kinect, que permitiria que a gente apenas falasse com o console e ele obedeceria. Os controles remotos seriam uma coisa do passado, uma relíquia do século 20. Só que não foi bem isso o que aconteceu na prática.

Algumas semanas atrás, a Microsoft lançou um controle remoto para o Xbox One. Eles me mandaram um para testes, e eu fiquei surpreso em ver como minha experiência de consumir filmes ou TV no meu Xbox One melhorou.

O controle remoto funciona mais ou menos como o controle normal do Xbox One. Ele tem um pad direcional e um botão no meio que funciona como o “A” do controle do console. Há um botão Xbox no meio do controle que permite ligar o console e ir para a tela inicial da interface. Os outros botões são mais ou menos similares aos botões tradicionais de um DVD player (play, pause, etc). O controle não tem um teclado numérico, no entanto, e isso limita um pouco uso para trocar canais da TV a cabo.

O controle remoto melhora significativamente a experiência de usar o Xbox One como um centro de entretenimento. Veja as razões abaixo:

Você não precisa ligá-lo

Eu nunca gostei de ter que ligar o controle do Xbox One antes de escolher um canal de TV ou filme. Pior ainda quando eu quero dar pause em um filme e o comando de voz “Xbox, pause” não funciona por algum motivo.

Ao contrário do controle do console, o controle remoto está sempre ligado, como a maioria dos controles remotos. Então, se você quiser fazer uma pausa ou mudar de canal rapidamente sem depender de Kinect, você pode usar o controle remoto como faria com o da TV, por exemplo

Não é um controle universal, mas chega perto

Por conta do receptor de infravermelho do Kinect, o controle remoto permite alterar o volume do meu sistema de áudio, por exemplo. Eu realmente não gosto de usar o Kinect para fazer isso dizendo “Xbox, Volume Up” repetidas vezes. O controle remoto do Xbox One não é um controle universal, mas ele pode ser usado para muitas coisas que estão conectadas ao console.

Ele é pequeno e bem feito

Algumas pessoas provavelmente não vão gostar do formato do controle remoto do Xbox One, mas eu realmente curti. Ele é bem pequeno e coberto por um material emborrachado. Ele tem a parte de trás arredondada, o que não permite que ele fique parado em uma mesa sem balançar. Isso pode ser um ponto de discórdia para alguns, mas, novamente, eu não me importo.

Os botões têm boa sensibilidade ao toque e o controle é de certa forma resistente à água (ele ainda está funcionando após um acidente de cerveja derramada na mesa). Os botões têm iluminação, o que torna fácil a visualização do controle em uma sala escura. Ele é discreto e elegante de uma forma que o Xbox One certamente não é.

É mais imediato que o Smartglass

Isso realmente pode ser motivo de discussão, mas eu raramente uso o aplicativo Smartglass para controlar meu Xbox One. Isso ainda parece muito lento e desnecessário. O Smartglass demora muito para ser acionado – destravar o telefone, abrir o app e usar o touchscreen para controlar as coisas. E, acima de tudo, o controle remoto não drena a bateria do meu telefone. O controle remoto é muito mais direto e prático, mais uma evidência de que para todos os novos truques que nossos smartphones podem fazer, dispositivos dedicados ainda são geralmente mais fáceis de usar.

É um bom aliado do Kinect

Quando eu fiz o review do Xbox One, eu disse que achava que as pessoas não estavam prontas para começar a falar com seus televisores o tempo todo. Depois de vários meses de uso do console, eu ainda acho isso. “Conversar” com o Kinect pode ser frustrante, chato e uma distração. Ninguém quer bater um longo papo com seu Xbox apenas para dar play em um episódio de Brooklyn Nine Nine no Hulu. A partir do momento em que eu comecei a usar o controle remoto, no entanto, o Kinect ficou muito mais amigável e, ouso dizer, útil.

Quando a Microsoft anunciou o controle remoto, muita gente riu. Um controle remoto para substituir o Kinect logo após o lançamento do console? Mas, na realidade, eu uso o Kinect muito mais agora que eu tenho o controle. Ou de forma muito menos problemática. O Kinect é o meu martelo de destruição e o controle remoto é o meu bisturi, e eu geralmente uso os dois em conjunto.

Agora, eu mudo os programas com o Kinect – “Xbox, vá ao Hulu Plus”, “Xbox, vá ao Netflix” – e depois eu pego o controle remoto para selecionar o filme ou programa que vou assistir. Assim, eu não preciso ligar o controle do console ou ficar o tempo todo falando com o Kinect. Mas, graças ao Kinect, eu também não preciso ficar usando o controle para navegar pelos menus do Xbox One para encontrar o aplicativo que eu quero rodar. O dueto “controle remoto + Kinect” é uma melhora acentuada em relação ao status quo.

Mas, apesar de todas as coisas boas sobre o novo produto da Microsoft, ainda há algumas coisas que me incomodaram:

Você precisa ter visão direta do console

O controle remoto deve ser apontado diretamente par ao Xbox One, e não para o Kinect. Isso não será um problema para a maioria das pessoas, mas se você tiver uma mesa de centro entre o controle e o console, por exemplo, talvez seja o caso de mudar a decoração da casa.

Eu gostaria de ligar minha TV com o controle

A função “Xbox On” ainda está diretamente ligada à possibilidade de ligar e desligar a TV. Eu gostaria de ter a opção de ligar apenas a TV ou apenas o console. Do jeito que está, se eu digo Xbox On e a TV está ligada, a TV vai desligar. Seria muito mais fácil poder ligar e desligar os aparelhos separadamente.

Espero que no futuro a Microsoft lance uma atualização que permita um comando separado para ligar e desligar a TV. Do jeito que está, eu ainda preciso do controle da TV apenas para ligar e desligar o aparelho, já que outros controles controlam praticamente todas as outras funções da TV (volume, canais, etc).

É vendido separadamente

O controle remoto é vendido nos Estados Unidos por US$ 25. Ele deveria estar incluído dentro do pacote básico do console, que já é caro. E o argumento de que o controle do console já cumpre esse papel não é satisfatório, porque depois que você começa a usar o controle remoto, percebe que sem ele o Xbox One parece um pouco incompleto.

Até mesmo de acordo com a Microsoft, o Xbox One é um centro de entretenimento completo, e não apenas um videogame. E, apesar das inovações com os comandos controlados por voz, um bom centro de entretenimento ainda precisa de um controle remoto. Espero que a Microsoft comece a incluir o controle remoto na caixa do console em breve, porque o pequeno acessório transforma o produto principal em algo significativamente mais atraente.

Então, aí está: o controle remoto é um pequeno periférico que faz um trabalho notável de reparar algumas lacunas na interface de usuário do Xbox One. O controle remoto tornou muito mais fácil o uso do Xbox One como o centro de entretenimento central da minha sala de estar, especialmente pelo maneira que ele funciona em conjunto com os controles de voz do Kinect. Um pequeno retângulo de plástico acaba de deixar o grande retângulo de plástico da Microsoft muito mais divertido e fácil de usar. Por essa eu não esperava.

Fonte: Kotaku

Tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.